quinta-feira, 26 de abril de 2012

O Brasil será mais livre daqui a 10 anos?


Escuto com certa frequência libertários dizendo que não viverão em liberdade em seu tempo de vida. Não apenas que eles não viverão em total liberdade, mas que dificilmente eles terão muito mais liberdade do que existe atualmente. Como você pode não desconfiar, eles estão errados, por três motivos.

O primeiro motivo é que, como um Transhumanista, não acredito nessa questão de que “a única certeza que temos na vida é que vamos morrer”. Sendo assim, as pessoas terão que no mínimo esperar que a situação vá continuar dessa forma ou pouco pior ou pouco melhor nos próximos anos. Acredito que a estimativa de vida que essas pessoas têm sobre si mesmas não passe de 100 anos, então eles só pensam que em cerca de 70 anos a liberdade não dará as caras no Brasil.

O segundo motivo é que essa visão fatalista (tão tradicional e presente entre os brasileiros) esconde a revolução que está acontecendo. E a palavra revolução aqui é bem adequada, porque muita gente não faz ideia de como o movimento libertário está crescendo no Brasil. Mas o motivo do meu realismo (ou talvez otimismo) é que prevejo que o movimento libertário brasileiro será tão relevante por aqui quanto o americano é por lá atualmente, senão maior do que o que existe lá atualmente.

Isso acontecerá devido à existência de um grande movimento libertário americano, que acaba gerando uma externalidade positiva gigantesca para os libertários brasileiros. Nós não precisamos nos dar ao trabalho de criar muita coisa, devido a existência desse material em inglês, o que faz com o nosso principal trabalho seja aprender o que eles já fizeram, copiar o máximo possível e focar nossas forças restantes em criar soluções somente para nossos problemas e realidade específica. Com isso, vamos alcançar os americanos muito mais rápido do que eles demoraram para chegar a esse nível de movimento pela liberdade, da mesma forma que a China, Japão ou Coréia do Sul estão alcançando a renda per capita americana muito mais rápido do que se estivessem isolados do mundo.

O que as finanças foram (e ainda são) para acelerar o crescimento econômico sem precisar de acumulação de capital e invenções locais, é o que a internet é para o embate de ideias, que faz com que o custo de transação entre libertários (e todos os outros grupos) seja reduzido drasticamente, fazendo com que as melhores ideias sejam copiadas e compartilhadas mais rapidamente.

E por fim, o terceiro motivo para ser otimista quanto ao futuro da liberdade é que o status quo estatista é muito mal organizado no Brasil, ficando muito mais fácil tomarmos o debate público por aqui que os libertários tomarem o debate público nos Estados Unidos. Não existe nenhum grande instituto sério defendendo o estado e o nível de pesquisas e argumentos dos estatistas são algo difícil de ser levado a sério, deixando evidente para todos quem está certo. Como a propagação deles depende de criar cabides no estado, quanto mais formos vencendo no campo das ideias (e isso vai continuar crescendo exponencialmente por um bom tempo), mais rapidamente vamos conseguir eliminar o poder da máquina estatal e dessa forma assegurar o declínio do estatismo de uma vez por todas no Brasil.

Se há um local em que existe uma conjuntura positiva para a liberdade no futuro, esse local é o Brasil. Podem esperar que em cerca de 10 anos já seremos muito relevantes nos rumos que a sociedade brasileira buscará.