terça-feira, 16 de outubro de 2012

Debate dos Presidenciáveis, 2014

Transcrição do terceiro do bloco do debate do primeiro turno das eleições presidenciais de 2014, realizado em São Paulo (SP), no átrio do Templo de Salomão, Brás. O debate contou com os principais candidatos ao cargo supremo do Executivo: Dilma Roussef (PT), José Serra (PSDB) e Tiririca (PR), além da minoritária Soninha Francine (PPS) e mais um nanicos cujo nome se perdeu. Moderando o debate estava o pastor Silas Malafaia.

TERCEIRO BLOCO - TEMA: PLANOS DE GOVERNO

Moderador (M): Aleluia, irmãos! Voltamos agora ao debate entre os presidenciáveis. Antes de darmos início às falas dos candidatos, conclamo todos a dar as mãos e orarmos a Oração do Senhor. Eleitores, prestem atenção para ver quem sabe as palavras e quem fica só mexendo os lábios sem dizer nada. O candidato Juliano Torres do LIBER gostaria de anunciar que não participará, por sua própria conta e risco, deste ato de louvação.

[encerrada a oração, seguranças escoltam Juliano Torres para fora do Templo.]

M: E vamos ao debate. Inicialmente, eu farei perguntas aos candidatos. Em seguida, os candidatos poderão interpelar uns aos outros, com temas selecionados aleatoriamente, lembrando que o tema geral são as propostas e o plano de governo. Ao longo do debate, a qualquer momento, uma manifestação do Espírito pode propor algo novo. Estão todos cientes e de acordo com essas regras? Se sim, digam "Amém".

Todos: Amém!

M: Então vamos lá. A primeira pergunta vai para Dilma Rousseff. Presidenta Dilma, a Sra. afirmou em entrevistas que é devota de Nossa Senhora. Também participou de uma romaria à basílica de Aparecida no último 12 de outubro, onde apareceu para as câmeras beijando a mão do Padre Marcelo e rezando o terço bizantino. Só que a Palavra do Senhor é clara: "Não farás para ti imagens e não as adorarás". Presidenta: como você responde à acusação de idolatria?

Dilma: Silas, sua pergunta é muito pertinente. Línguas maldosas da mídia golpista andam espalhando inverdades. Gostaria de deixar claro que isso é uma mentira, uma calúnia! No que se refere à minha fé, quero reiterar aos irmãos aqui presentes que há apenas um único Deus de poder, Deus de verdade, Deus de justiça e Príncipe da paz! Sigo nas pegadas do meu irmão de fé o Presidente Lula, que deixou seu testemunho em favor dos pobres deste mundo, o Bolsa-Família. Nessa mesma seara, fui inspirada pelo Espírito a fazer o Minha Casa Minha Vida, que agora vai ampliar sua linha de crédito para todo mundo realizar o sonho da casa própria, esse sinal da predestinação, mesmo desempregados e mendigos. E como mostra da devoção do meu programa, todo cidadão que comprovar sua filiação a um templo ou culto pagará juros negativos, como já é a política do Banco do Brasil, esse banco ungido pelo Senhor, Jeová é seu Nome!

M: Candidato José Serra, é publicamente sabido que Fernando Henrique, seu mentor, é ateu. E você: também está fora do redil dos eleitos?

Serra: Silas, tenho muito orgulho da minha trajetória de vida, mas não posso compartilhar de tudo que o FHC fez e disse. O ateísmo é uma dessas coisas. Outra foi a privatização. Andam dizendo por aí que eu vou privatizar as estatais. Isso é mentira; eu vou ser lembrado como o presidente das estatais! Vou ampliar o bolsa-família, que aliás foi ideia nossa, e se você for ver no meu plano de governo, Silas, vai ver que eu vou é nacionalizar as empresas privadas. Não tem sentido deixar setores estratégicos como comida e vestuário nas mãos da especulação privada. Voltando à questão da fé, eu sempre fui um homem de profunda religiosidade; quero ver uma igreja em cada quarteirão! Acho que todas as formas de crença e espiritualidade são positivas...

M [levanta uma das sobrancelhas]: Todas, candidato Serra?

Serra: Todas as formas da fé cristã! Passou disso, amarra em nome de Jesus!

M: Tá amarrado, irmão. Aleluia amém aleluia!

[Alguns na plateia oram em línguas.]

M: Candidato Tiririca, como você se posiciona na disputa doutrinal entre Edir Macedo e Valdemiro Santiago?

Tiririca: Olha, sinceramente eu não entendo por que a fé do candidato deve importar tanto assim. Será que eu posso aproveitar este tempo pra falar um pouco do meu plano para a educação básica? Se for eleito, entre as muitas obras que vou fazer, gerando empregos e melhorando nossa infraestrutura, construirei muitas novas escolas, todas equipadas...

M: Ih, candidato, você caiu no engodo da salvação pelas obras? Foi isso que eu ouvi?

[Vaias da plateia e de José Serra.]

M: Candidata Soninha, varoa honrada pode andar de bicicleta?

Soninha [largada na cadeira, cabeça bem baixo no encosto]: Cara, meu, puta que pariu, né? Acho que sei lá, a mulher tá aí, chegamos lá, e é um puta desrespeito isso de não pode isso não pode aquilo. Direitos iguais para humanos iguais, esse discurso interessa a quem? Cheguei até aqui com a força do meu trabalho em equipe, fiz muita cagada também admito. Tive uma ideia esses dias pra mulher crente que anda de bike, não sou mas respeito; sempre. É o selim casto, mais largo; um banquinho redondo pra não comprometer a virgindade da ciclista evangélica. Tudo com materiais reciclados.

M: Esse banquinho tem poder, candidata! Mas e o cabelão ungido da varoa; não prende na corrente?

Soninha: Putz! Não rola fazer uma parada tipo coque, sei lá?

M: "As mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças". Coque é trança, candidata. A Palavra é clara: infelizmente, a nação evangélica não poderá te apoiar. Queira a guarda do Templo retirar a candidata Soninha Francine, por favor.

[Soninha sai. O pastor fecha os olhos e todos ficam em silêncio.]

M: Irmãos! O Espírito na forma de uma labareda de fogo acaba de me manifestar glória e poder! Aleluia! Ele quer que cada candidato diga o que pensa sobre a união dos sodomitas. Varão com varão, varoa com varoa; pode, candidatos?

Dilma: De jeito nenhum. Absolutamente. Deus os criou homem e mulher. Adão e Eva; não Adão e Ivo. No que se refere à homoafetividade, inclusive, vou colocar como prioridade para o Ministério da Oração pedir pelo fim deste pecado entre os fieis. E vou qualificar a piada do "crente do rabo quente" como crime de ódio: homo - e cristo - fobia.

Serra: Não acreditem nas mentiras do PT! Lembram do Kit Gay? Dilma é mãe do Kit Gay, e mãe solteira, divorciada, mulher perdida. Ela criou o Ministério para Assuntos LGBTTT; fez do 24 de agosto o Dia da Vera Verão. Depois perde a Copa do Mundo e nos perguntamos por quê! No meu governo, não vai ter baixaria. Pai de família não terá que ficar explicando em detalhes pro filho pequeno o que é suruba de homem.

Dilma: Candidato Serra, assim fica difícil... Detesto trazer dados pessoais para o debate, mas todo mundo sabe do aborto da tua mulher, do teu programa como ministro da saúde de tratar de aidético, dar camisinha; você tem parte com o Satanás. Não cure o homem a doença que Deus mandou! Estou certa, irmãos?

[A plateia vai ao delírio no Senhor.]

Dilma: Tua filha, candidato, é mulher da vida. Você não vai no culto e nem na missa; só em época de eleição. Está aqui fazendo jogo político! O PSDB é isso: discurso bonito mas joga o povo no lixo. Privatização, FMI, vendido ao capital; abre a porta pros americanos e chineses virem tomar conta. Sua PM, Serra, em São Paulo, mata estudante, mata pobre, sacrifica bebê no terreiro pra Moloch, pra Baal. É isso que Jesus faria?

Serra: Olha, Dilma, não esperava esse golpe baixo vindo de você. Embora seu partido seja mensaleiro, ateu e comunista comedor de criancinha, sempre tive respeito e admiração por sua história de luta. Nem utilizei politicamente o fato de você, sua terrorista duas-caras, ter traído seu marido e as suspeitas sérias de que você é sapatão. Oops, pronto falei! [Dá um sorriso maroto.]

Tiririca: Gente, por favor, isto é um debate político! Olha, Silas, quanto ao casamento homossexual, é um tema na melhor das hipóteses secundário. Mesmo porque estou concorrendo a um cargo do Executivo; então mesmo se eu tivesse uma posição acerca do tema, não teria como colocá-la em prática. Agora será que podemos discutir questões sérias? Eu realmente gostaria de discutir os projetos de cada um. Não sei, mas acho um pouco perigoso o rumo que a discussão política vem tomando no Brasil. Este será nosso único debate, e vamos perder nosso tempo tentando angariar votos dessa forma baixa, apelando a todos os preconceitos que ainda vigoram no eleitorado e polarizando os discursos? Não temos nada melhor para mostrar? Por exemplo, eu vim aqui com o intuito de discutir o problema da educação básica no país, que como todos sabem é um problema de muitas gerações, e cuja solução terá que envolver a ação conjunta de todos os partidos. Será que eu poderia apresentar as diretrizes preliminares do meu plano?

M: Não teste a paciência do Senhor, candidato! Mas vá lá; qual é o seu plano para a educação básica no Brasil?

Tiririca: Me elege que eu te conto! FUÉÉÉ!

[Risos no auditório, que começa a cantar: "Ôôô, É Tiririca eu sooou, e ninguém vai me segurar!"]